Simule

Joinville é líder no estado na implantação de sistema de energia mais econômico e sustentável

30 de janeiro de 2020

compartilhe

A cidade com o maior PIB de Santa Catarina é líder em inovação na área de energia. Em menos de três meses, Joinville detém 90% das unidades de uma iniciativa que chegou a Santa Catarina no fim de 2019 com um novo modelo, mais econômico e sustentável, de geração de energia. A Cogecom, primeira cooperativa de pequenas usinas de energia limpa do Brasil, tem um modelo que possibilita a economia compartilhada, que vem se mostrando muito bem sucedido em outros nichos. (Se acharem que convém, aqui podemos colocar o número: Em Joinville, já são diversos empreendimentos que contam com esse sistema que resulta em economia e mais sustentabilidade.)

Por meio da Cogecom, empresas que produzem sua própria energia em pequenas centrais de geração se unem. Para fazer parte da cooperativa, não são necessários investimentos iniciais. A operação é diferente de empresas que alugam ou vendem placas voltaicas (solares). A Cogecom atua em todo o Brasil e oferece projetos de geração de energia de acordo com os recursos naturais disponíveis, como biomassa, energia eólica e hidráulica.

Como é a operação?

A cooperativa faz a gestão da produção e o rateio do excedente produzido. Também conduz interfaces com os órgãos competentes, assegurando o processo e o cooperado. Toda energia gerada é injetada na rede da concessionária e rateada entre os cooperados. Essa energia é revertida em créditos que são abatidos no valor da fatura das empresas integrantes da cooperativa.

Atualmente, são gerados mais de 14.400.000kWh por mês. Essa quantidade de energia seria suficiente para abastecer 95mil residências, o que equivale a uma cidade com mais de 400 mil habitantes.

A alternativa de geração de energia em cooperativa já é uma realidade para mais de 600 cooperados da Cogecom, como restaurantes, escolas, academias e farmácias. Em um ano, a economia total dos cooperados ultrapassou R$ 1 milhão. Individualmente, cada cooperado pode chegar a ter uma economia mensal de 20% no valor da conta de energia.

Essa operação toma como base a normativa a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Desde 2012, a Resolução 482 regulamenta a micro e mini geração de energia e, em 2015, a norma 687 passou a regulamentar a compensação de energia no modelo cooperativa, consórcio ou condomínio.

Foto: Conta Azul